sexta-feira, 28 de novembro de 2008

sardinha ao molho

Preparação de Sardinha ao molho:
Misturar 3 colheres de azeite com o vinagre, a sálvia, a salsinha, a cebolinha, o alho e os tomates picadinhos, sal e pimenta. Acomodar as sardinhas numa travessa refratária untada com azeite e cobrir com metade da mistura de temperos. Assar por 10 minutos. Virar com cuidado as sardinhas, cobrir com o restante dos temperos e levar ao forno por mais 10 minutos.

Ingredientes:
6 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de vinagre
2 dentes de alho
3 tomates sem pele e sem sementes
1 kg de sardinhas limpas
sal a gosto
pimenta a gosto
sálvia
salsinha
cebolinha


ver aqui a receita

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Sardinha fica sete vezes mais cara entre a lota e o mercado

Um quilo custa 0,69 euros à saída do barco e é vendido ao público a 4,65 euros
Por José Manuel Rocha

Um quilo de sardinhas, acabadinhas de sair do barco, é vendido na lota de Matosinhos a um preço médio de 0,69 euros. É transportado para um mercado do Porto ou entregue numa peixaria das imediações. Meia hora depois, entra um cliente para comprar um quilo da mesma sardinha. Custo: 4,65 euros.

Num curto espaço de tempo, meia dúzia de quilómetros cumpridos, o preço da espécie mais pescada em Portugal multiplicou-se sete vezes. É caso para dizer que o peixe, tão querido da dieta alimentar dos portugueses, "está pela hora da morte".

As contas foram feitas a partir da informação avançada pela Direcção-Geral das Pescas e Aquicultura, referente à actividade da frota nacional nos três trimestres que o ano já leva. As capturas somam um forte incremento (mais 19 por cento face ao mesmo período do ano passado no Continente). Um forte ganho de produtividade, porque não houve um aumento do número de embarcações e de pescadores a bordo. Mas a lei da oferta e da procura parece não estar a funcionar, porque os preços queimam mais do que nunca a bolsa dos portugueses.

A pescada é outro exemplo de multiplicação, não dos peixes, mas do custo. O preço médio apurado à saída das lotas para esta espécie é de 3,08 euros por quilo. No mercado, a Direcção-Geral situa um preço final médio de quase 9,7 euros, um acréscimo de mais de 300 por cento que se dilui nos circuitos de comercialização. Outro caso onde maior abundância não significa preço mais em conta é o do polvo - o molusco que é, já, a terceira espécie mais extraída no Continente, este ano com um crescimento nas capturas de 164 por cento face aos primeiros nove meses de 2007. Sai a um preço médio de 4,3 euros por quilo e é reclamado no mercado a 10,14 euros - duas vezes e meia mais caro. Amplitude semelhante encontra-se nos valores a que é transaccionado o peixe espada preto, tendo o linguado uma valorização bastante mais suave - 33 por cento entre a descarga e a peixaria.

Ano de excepção

A actividade da frota portuguesa está a ter, este ano, resultados de excepção. As capturas totais aumentaram, nos três primeiros trimestres, 12,5 por cento face ao período homólogo de 2007. No Continente, a extracção está 19 por cento acima do valor do ano passado, cortando com o cenário de estagnação vivido entre 2006 e 2007.

Entre Janeiro e Setembro deste ano, a frota nacional descarregou 133,4 mil toneladas de pescado, das quais 116,8 mil toneladas dizem respeito à extracção nas águas do Continente. A arte do cerco, onde se incluem as capturas de sardinha, carapau e pescada - espécies fundamentais no balanço económico do sector -, é responsável por metade do total pescado, seguindo-se, em nível de desempenho, a pesca polivalente e a do arrasto, que exige embarcações de maior porte e mais bem equipadas.

Os barcos matriculados na região autónoma dos Açores descarregaram 10 mil toneladas, um recuo de 27 por cento face a 2007, e os da Madeira ficaram-se pelas 5600 toneladas, ligeiramente abaixo do resultado obtido nos primeiros três trimestres do ano passado.

A sardinha continua a ser a espécie mais pescada em Portugal, com um total de 50,4 mil toneladas descarregadas nos portos nacionais (cerca de 38 por cento do total). De um ano para o outro, aumentou 22 por cento as capturas. Este segmento específico da pesca nacional está a colher os frutos de uma prática exemplar de preservação dos stocks.

Há uma década, temeu-se que o caminho apontava para um progressivo desaparecimento dos recursos. Mas os defesos que todos os anos são observados pela frota e a utilização de tecnologia menos predadora (que visa a protecção dos indivíduos juvenis) acabaram por produzir resultados, visíveis na recuperação das capturas.

Seguem-se, no balanço de capturas e por ordem de grandeza, a cavala, com 17,5 mil toneladas, e o polvo, com uma quase triplicação das capturas nos períodos em análise (de 4,3 para 11,4 mil toneladas). A seguir, vêm o carapau, o verdinho e o peixe espada preto.

Jornal Público

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Sardinhas em papier maché

Sardinhas em papier maché para todos os gostos.

sardinhas às cores

Sardinhas em papier maché

Sardinhas em papier maché para todos os gostos.

Receita da sardinha ao molho

Sardinha ao molho:
Ingredientes:
6 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de vinagre
2 dentes de alho
3 tomates sem pele e sem sementes
1 kg de sardinhas limpas
sal a gosto
pimenta a gosto
sálvia
salsinha
cebolinha

Preparação de Sardinha ao molho:
Misturar 3 colheres de azeite com o vinagre, a sálvia, a salsinha, a cebolinha, o alho e os tomates picadinhos, sal e pimenta. Acomodar as sardinhas numa travessa refratária untada com azeite e cobrir com metade da mistura de temperos. Assar por 10 minutos. Virar com cuidado as sardinhas, cobrir com o restante dos temperos e levar ao forno por mais 10 minutos.

via saborosas.com

Escolinhas e sardinhas

LADAINHA
Arre burrinho
Para S. Martinho
Carregadinho de pão e vinho.
Arre burrinho de Queluz
Carregadinho de luz.
Arre burrinho da Guiné
Carregadinho de café.
Arre da Rinchoa
Carregadinho burrinho de broa.
Arre burrinho, arre burrinho
Sardinha assada com pão e vinho.
LADAINHA
Arre burrinho
Para S. Martinho
Carregadinho de pão e vinho.
Arre burrinho de Rio de Mouro
Carregadinho de pão louro.
Arre burrinho da Rinchoa
Carregadinho de meloa.
Arre burrinho, arre burrinho
Castanha assada e muito suminho.
LADAINHA
Arre burrinho
Para S. Martinho
Carregadinho de pão e vinho.
Arre burrinho da Guiné
Carregadinho de café.
Arre burrinho de Moscovo
Carregadinho de ovo.
Arre burrinho, arre burrinho
Sardinha assada com pão e vinho.
E.B.1/JI de Fitares
4º B

Pacific sardine

Pacific Sardine (Sardinops sagax caerulea)
Pacific sardine population levels are high, and no overfishing is occurring.
• The Pacific Fishery Management Council sets an annual quota for the harvest of Pacific sardine based on scientific assessments of the species.
• Sardines are very high in selenium and vitamin B12 and high in calcium, niacin, and phosphorus, but they are also high in cholesterol. For more information, see Nutrition Facts. (USDA)
• The Pacific sardine has experienced a remarkable comeback after populations dropped drastically in the 1950s. Today, this species and fishery are thriving once again.

The Coastal Pelagic Species (CPS) Fishery Management Plan (FMP) was implemented in 1999 to manage Pacific sardines along with other coastal pelagic species. Pacific sardine is assessed annually to provide a scientific basis for the annual harvest guideline (quota) that is established by the Pacific Fishery Management Council for the U.S. fishery. The FMP also includes a limited entry program, provisions to reduce bycatch and bycatch mortality, and monitoring through logbook and observer programs. In 2003, Amendment 10 established a maximum fleet capacity for the CPS fishery, allowed the transfer of limited entry permits, and established criteria for issuing new permits. Amendment 11 was implemented in 2005, establishing the current framework for allocating the coastwide harvest.

Pacific sardine is a transboundary resource, meaning that these fish migrate across international boundaries. To ensure sustainability of the coastwide fishery, Mexico, Canada, and the United States are working to coordinate fishery management and science. The three countries meet annually at the Trinational Sardine Forum.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Mercado exótico



100 pacotes de pauzinhos=2,5 euros








Um local excelente para comprar ingredientes chineses e indianos, o mercado do Martim Moniz, que descobri há pouco tempo.
Pour acheter des produits alimentaires chinois et indiens, le Martim Moniz, en plein centre de Lisbonne.

domingo, 2 de novembro de 2008

my dad & sardines

my dad & sardines
American Poetry Review, The, Jan/Feb 2004 by Derricotte, Toi

my dad's going to give me a self
back.
I've made an altar called
"the altar for healing the father & child,"
& asked him what I could do
for him so he would
do nice for me. he said I should stop
saying bad things about him &, since
I've said just about everything bad
I can think of &, since . . . well,
no, I change my
mind, I can't promise
him that, but even healing is
negotiable, so, if he's in
heaven, or trying
to get in, it wouldn't hurt
to be in touch. the first thing I want is to be able to
enjoy the little things again-for example, to stop peeling

down the list of things I
have to do &
enjoy this poem, enjoy thinking about how, scouring
the cupboards, I found a
can of sardines that
must be five
years old &, since I was home after a long
trip & since it was I A.M. & I hadn't eaten
dinner & since there was no other
protein in the house, I cranked it open &
remembered that
my dad loved
sardines-right before bed-with
onions & mustard. I can't get into my
dad's old heart, but I remember that look on his
face when he would load mustard on a saltine, lay a little
fish on top, & top it with a juicy slice
of onion, then he'd look up at me from his soiled
fingers with one eyebrow
raised, a rakish
grin that said-all
for me!-as if he was getting away
with murder.
Copyright World Poetry, Incorporated Jan/Feb 2004
Provided by ProQuest Information and Learning Company. All rights Reserved
http://findarticles.com/p/articles/mi_qa3692/is_/ai_n9346726

sábado, 1 de novembro de 2008

As sardinhas e os livros















Céu da Boca
Lembranças saborosas da infância por João Luís de Almeida Machado, Editor do Portal, Planeta Educação, Brasil

"Deliciosos e suculentos peixes. Os frutos do mar e as pescadas são as mais fortes reminiscências das refeições de minha infância. Morávamos no Litoral Norte de São Paulo, mais especificamente em São Sebastião, que lá pelos idos dos anos 1970 ainda não sofria com os congestionamentos e a presença tão acentuada de milhares de turistas a cada final de semana atrás de um abençoado lugar nas belas praias daquela localidade tão espetacular".

"Sardinhas fritas ou assadas eram uma constante no cardápio de minha casa. Deliciosas e crocantes faziam nossa alegria e complementavam ricamente o almoço caseiro".